Jogo do Ano: Overwatch

Fundo Branco

Um jogo tem que ser legitimamente bom hoje em dia pra conseguir se sobressair à avalanche de interesses culturais e políticos que a mídia e público projetam sobre ele. Quanto maior o produto, maior a pressão pra não ofender ou doutrinar ninguém. Nesse debate político-cultural, Overwatch claramente tem um lado – e não é o nosso. O time por trás do jogo leva críticas do Feminist Frequency a sério e se tornou um exemplo de “diversidade” no mundo dos games com o seu elenco calculadamente multicultural.

Ainda assim, polêmica é polêmica, jogo é jogo. E Overwatch nos fez lembrar que no fim do dia só uma coisa realmente importa: gameplay.

Um jogo tão bom que foi capaz de fazer até nós aqui do Loly relevarmos a politicagem ao redor dele

Jogos como Overwatch são acontecimentos raros no mundo dos games, um verdadeiro caso de “capturar raio numa garrafa”. A total dedicação e criatividade da equipe por trás do jogo é nítida em cada detalhe da experiência – da UI ao voice acting, tudo é feito com um esmero e mão firme, certa de sua visão, que raramente vemos mesmo nessa indústria bilionária onde jogos AAA muitas vezes custam mais para produzir do que grandes blocksbusters do cinema.

Quando foi a última vez que vimos uma nova IP se popularizar tão rápido assim, introduzindo dezenas de personagens ao subconsciente da cultura pop? Sucesso é uma coisa, popularização é outra e Overwatch tem os dois. Você pode nunca ter jogado uma partida na vida, mas com certeza sabe quem é D.Va, Tracer, Hanzo e cia.  Overwatch é uma franquia de merchandising bilionária esperando pra acontecer.

Mas acima de tudo, é um jogaço, divertido ao ser jogado sozinho ou com um grupo de amigos. São tantas possibilidades diferentes de gameplay que é fácil se sentir intimidado no começo. As partidas costumam ser eletrizantes e o jogo dá chance pro jogador experiente brilhar, sem necessariamente tornar a vida do novato um inferno. É um jogo para todos – fácil de aprender e de ficar bom, mas sem sacrificar uma longa e saudável curva de aprendizagem, capaz de lhe manter jogando por anos e anos.

Não nos importa a política da Blizzard nem suas decisões estratégicas. Quando um jogo é tão bom quanto Overwatch, podemos ver como essa picuinha política que nós mesmos aqui no Loly passamos tanto tempo discutindo é fichinha perto do prazer de jogar algo tão bem polido, criativo e feito com tanto amor.

Que 2017 nos traga menos política em games e mais jogos como Overwatch.

 

Complexo
Fundador e editor-chefe do Lolygon.
CONTATO: complexo@lolygon.moe